Arquivo mensal: junho 2012

Ratinho e a Convenção – Muletada do dia

Padrão

Muito bom, se a causa do vice do Ratinho é a acessibilidade, acho melhor mudar de arquiteto, pois o Ricardo Mesquita, não atentou para a falta de acessibilidade na própria Convenção do Partido.

As imagens falam por si, eu e o Vereador Julião (tornozelo fraturado), ficamos do lado de fora, pois para entrar no salão, além de uma rampa sinistra, havia uns 30 degraus mais sinistros ainda. Viva a acessibilidade e a Nova Curitiba!

Anúncios

A Representação Social dos PMs

Padrão

Acho curioso e nefasto a representação social que os brasileiros fazem da Polícia Militar, pois é sempre negativa. Não que as PMs não cometam excessos, cometem sim, e quando o fazem na maior parte da vezes é por exigência do ofício, no entanto, quando presenciamos qualquer tipo de violência é a eles que recorremos, pois são eles que nos protegem e inúmeros morrem no exercício da profissão. 

Por oposição, nos EUA, a representação social dos policiais é sempre positiva, eles são tidos como símbolos do bem, do cuidado e da proteção a população. Precisamos mudar, e para tanto, os policiais militares precisam de porta-vozes que demonstrem o outro lado da profissão PM.

A Polícia é a representação máxima do Estado, em termos weberianos, o “estado exerce o monopólio do uso legítimo da violência física”, e os PMs a grosso modo, são o Estado! E, eles, por uma questão estabelecida no “contrato social” possuem esse monopólio, mas isso é para a proteção da vida e da propriedade de todos nós.

Então, vamos repensar?

Atropelamento e Impunidade: não foi um acidente

Padrão

A morte do jornalista Vinícius Coelho, 80 anos, é de uma estupidez intraduzível, isto porque alguém parou para deixá-lo atravessar a rodovia com segurança, vem outro veículo em velocidade, que não percebeu a “gentileza” do outro condutor, e toma uma vida! Então a “gentileza” vitimou um homem que conseguiu chegar aos 80 anos.

Essa morte deve fazer com que os paranaenses assinem o Abaixo Assinado – Não foi Acidente http://naofoiacidente.org/blog

O trânsito no Brasil além de causar mortes deixa milhares de vitimados e doentes crônicos por conta dos acidentes. Eu mesma sou uma vítima. O meu caso é muito parecido com o do jornalista, mas eu sobrevivi. No entanto, ninguém foi punido.  Fui atropelada por um rapaz de 22 anos, alcoolizado que furou um sinal vermelho e me atropelou encima da calçada. Após quase 22 anos enfrento as sequelas deste “que não foi um acidente”, há quase um ano fiquei dependente de uma muleta. Então colaborem assinando a petição.

Jornalista Vinícius Coelho morre atropelado em Curitiba

Padrão

por Samuel Nunes, do G1 PR

O jornalista Vinícius Coelho, de 80 anos, morreu na tarde desta quarta-feira (27), após ser atropelado na BR-476, em Curitiba, no Paraná. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o acidente aconteceu em um trecho onde são feitas obras da Linha Verde.

 Conforme a PRF, o jornalista tentava atravessar a rodovia, bastante movimentada. Um caminhão que seguia no sentido São Paulo havia parado para que o jornalista pudesse passar. Porém, outro veículo na direção contrária não viu o pedestre.

O motorista do outro veículo teve ferimentos leves. Ele foi atendido e levado ao Hospital Cajuru, também em Curitiba.

Fonte: Blog do Esmael

 

Mercadante e a não negociação: greve nas Universidades Públicas

Padrão

É muito interessante, aliás, interessantíssimo a presença de um petista de alto coturno como o Aloizio Mercadante, Ministro da Educação. Nos velhos e bons tempos do “antigo PT”, ele seria o primeiro a negociar com os “professores grevistas”. Hoje do outro lado, governo, ele endurece o discurso e os professores ficam, os alunos ficam, o calendário acadêmico passa e o PT se consolida transformado num, num… “ornitorrinco”.

Brasil Terra de Ninguém – Episódio 1

Padrão

São tantos os absurdos que assolam os brasileiros, que o caso do jovem, Alex Ramos Carvalho, 17 anos, órfão e analfabeto que encontrou a menina desaparecida, Brenda, sumida da Igreja “Deus é Amor” em São Paulo, me chocou. Leia o depoimento: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1111147-jovem-conta-como-encontrou-menina-desaparecida-em-sp-leia-depoimento.shtml

Além de todas as dificuldades de sua vida pessoal não lhe restou nem o ato heróico, que foi usurpado por um oficial da PM de São Paulo, que rapidamente colocou sua cobertura (de capitão) sobre a cabeça de Brenda.  O Brasil é ou não é terra de ninguém? Cadê o Estado para atender o menor, Alex Ramos Carvalho? O seu encontro com o Estado foi para retirar-lhe o pouco que já tinha e a bravura do seu ato.

O Brasil é terra de ninguém porque nosso Estado é fraco, inoperante e injusto!