Arquivo mensal: junho 2012

A implosão do PSDB no PR

Padrão

A atual postura do Beto Richa vai destruir o PSDB. Primeiro, ele se comporta como proprietário do Partido e não lider, como deveria ser. Segundo, coloca interesses pessoais acima de decisões partidárias. Terceiro, personalisou o partido. Quarto, agora começou o esvaziamento em função das três primeiras posturas.

O PSDB nacional nunca conseguiu chegar nem a 10% do que o PT foi como oposição, mas aqui no Paraná a situação é pior.

O Dep Fed Fernando Francischini, estava conseguindo alçar sucesso e repercussão como porta-voz  da oposição no Congresso como pertencente ao PSDB. Mas aqui no Paraná, fazendo a “pequena política” o tucanão-mor está produzindo a implosão do seu próprio partido.

Usando Maquiavel, a grosso modo, podemos afirmar que Richa chegou a governador somente por “fortuna” (sorte e circunstâncias), mas lhe falta a “virtú” (inteligência e  a capacidade para controlar situações e de administrar a fortuna).

O problema  é que essa fragilidade do PSDB faz que com que a estrela petista se consolide ainda mais no cenário nacional, e quem perde somos nós todos os brasileiros, pois na nossa democracia não há DISSENSO, condição fundamental para o seu aprimoramento.

Daí o Francischini ser uma perda fundamental para o PSDB paranaense, assim como ocorreu com o Gustavo Fruet.  O lado bom é que a oposição ao Richa agora cresce no Paraná!

Anúncios

O vice de Ducci e a traição ao PSDB

Padrão

Sempre acreditei que o PSDB não abriria mão da vice na candidatura de Ducci, uma vez que a Prefeitura foi entregue ao PSB. No entanto, Carlos Alberto Richa está colocando interesses pessoais acima dos partidários, se o Richa não defende os interesses do Partido quem defenderá? É muito estranho, aliás estranhíssimo o vice não ser do PSDB. O Dep Fernando Francischini seria a “bola da vez”, pois ele é bom de voto. E o Ducci não terá sozinho o desempenho eleitoral esperado, o caminho tomado por Richa é mais uma prova de que o personalismo na vida político partidária é persistente. Inclusive num partido grande e importante como o PSDB. Essa é uma cultura política difícil de ser vencida. O que resta aos descontentes, com razão,  é bater em retirada e pousar em outro ninho.

A crise européia sentida do Brasil

Padrão

Ontem, passando pelo Rua Engenheiro Rebouças, com o vidro do carro abaixado, eis que de repente alguém pediu uma “moedinha”, o sotaque português era muito forte. Perguntamos se ele era de Portugal, eis que o gajo respondeu que sim!  A cena foi surreal, realmente a crise européia foi capaz de criar tal situação.

Em tempos da Rio 20: Reciclagem de Potes de Sorvete

Padrão

Em tempos de Rio 20 e de sustentabilidade, vale a pena demonstrar que tudo pode ser transformado. Esse trabalho aprendi na Internet, faço a reciclagem de potes de sorvete que são transformados em uma frasqueira, caixa, como quiserem chamar. A técnica é decoupage.

Modelo 1

Modelo 2

Modelo 3

Convenção do “bendito” Fruet entre as “mulheres”

Padrão

A festa do PDT, PT e PV estava completa. A “nata” pedetista, petista e pé-verde estava toda lá. Gustavo Fruet, sempre muito espirituoso disse algo que poderia ser o seu bordão: “eu sou o bendito Fruet entre as mulheres”. Começou bem, arrancou aplausos e sorrisos das mulheres lá presentes, em destaque: a noiva, a irmã, a Miriam Gonçalves, a Ministra Gleisi, a Vereadora Josete, a Roseli Isidoro…. e essa que vos escreve.

Os Militares, o PT e o PSDB: cálice ou cale-se?

Padrão

Para os mais jovens…

Recebi alguns e-mails quanto a grafia do post sobre os militares. Segue a explicação.

A grafia cálice da charge é assim mesmo e não cale-se.
O cálice vem de uma música histórica criada em 1973 pelos compositores Gilberto Gil e Chico Buarque. A letra foi considerada como uma resistência a ditadura militar, eles fizeram um trocadilho entre “cálice” e “cale-se” para burlar a censura. Mesmo assim, a música teve dificuldades de passar, há uma mensagem subliminar contida na música, entenderam?

Talvez tenhamos que adotar novamente essas estratégias, uma vez que agora os censurados são os militares.

Segue um trecho da letra:
Cálice

Chico Buarque

Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor e engolir a labuta?
Mesmo calada a boca resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa?
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada, prá a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

De muito gorda a porca já não anda (Cálice!)
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, Pai, abrir a porta (Cálice!)
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade?
Mesmo calado o peito resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Talvez o mundo não seja pequeno (Cale-se!)
Nem seja a vida um fato consumado (Cale-se!)
Quero inventar o meu próprio pecado (Cale-se!)
Quero morrer do meu próprio veneno (Pai! Cale-se!)
Quero perder de vez tua cabeça! (Cale-se!)
Minha cabeça perder teu juízo. (Cale-se!)
Quero cheirar fumaça de óleo diesel (Cale-se!)
Me embriagar até que alguém me esqueça (Cale-se!)

Artesanato – Tampo para Churrasqueira

Padrão

Sempre me senti desconfortável com a abertura da churrasqueira, aquilo parece uma gaveta de cemitério, então… para me livrar daquela coisa horrorosa criei um tampo. 1) Para fazer o tampo é só medir o tamanho da churrasqueira e fazer uma peça em MDF  (espessura de 8 mm, no mínimo) em uma marcenaria ou na Leroy Merlin. É importante que o tamanho seja preciso. 2)Vc pode pintar uma paisagem como a minha, ou então, fazer decoupáge. No caso essa pintura foi realizada com tinta automotiva, por um artista de rua, Wallace, no Largo da Ordem.  3) Quando a estética da peça estiver pronta, faça dois duros para colocar um puxador de armário para ficar mais fácil retirar o tampo da churrasqueira; 4) Revista as quatro laterais com um tipo de carpet ou forração para que o encaixe fique mais perfeito. É isso!

Foto 1

Foto 2

Vamos combinar que ficou um charme com essa paisagem paranaense.