Arquivo mensal: maio 2015

Prefeitura de Curitiba ignora o Maio Amarelo

Padrão

Para quem não sabe estamos no Maio Amarelo, várias ações para conscientizar s população sobre o trânsito. Em geral, os órgãos públicos deixam seus monumentos e pontos turísticos iluminados com amarelo para dar força ao movimento. Pois bem, um dos pontos turísticos mais visitados de Curitiba, o Jardim Botânico, está com a iluminação AZUL?

Prefeito Gustavo Fruet, vamos entrar para o Maio Amarelo???

Jardim botânico, azul?

Anúncios

Entrevista com o Dr Flávio Massao

Padrão

Entrevistei nos Estúdios do UNINTER, para o PROGRAMA VIDA ACADÊMICA, o médico e professor, Flávio Massao Mizoguchi. Conversamos sobre sua escolha pela Medicina, o desenvolvimento de Pesquisas, o trabalho na área de otorrinolaringologia, a postura científica.

Flavio Massao e Vanessa Fontana

Foi show de bola, em breve, publicarei o link.

Seminário juventude e trânsito: PUCPR

Padrão

Hoje ocorreu o Seminário Juventude e Trânsito na PUCPR, compareceram mais de cem pessoas, dentre eles, médicos, enfermeiros, agentes de trânsito, Guarda Municipal e ONGs que trabalham com a pauta do trânsito. Nunca aprendi tanto num seminário como neste.

II-Seminario-300x210

O mais importante de tudo que ouvi e confirmei é que precisamos de mais educação, punição e consciência social de que o trânsito deve ser entendido é vivenciado como um espaço democrático.

Vanessa Fontana

Mas o principal é que precisamos mudar a norma da ABNT que trata acidente, precisamos com a máxima urgência mudar essa nomenclatura.

Meu olhar sobre 29 de abril…

Padrão
PMPR

PMPR

O jornalista Diego Ribeiro da Gazeta do Povo, http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/recomendacoes-tecnicas-foram-ignoradas-na-batalha-do-centro-civico-5w3o5jzuf7s6m7lfkvgfju5zy, fez uma matéria explicando os fatos de uma perspectiva da polícia, isto é, do teatro de operações.

O jornalista usou o Manual de Distúrbios Civis da Polícia Militar, destacando alguns fatores: a) ordem de dispersão ou proclamação. b) foco na turba e não na multidão. c) exagero de efetivo. d) falta de inteligência.

Tenho alguns retoques na matéria. Realmente houve falha na ordem de dispersão via equipamento de som.  Segundo, houve erro também em relação à FALTA DE COMANDO DA POLICIA MILITAR, em relação a não identificação daqueles que compunham a turba, mas as imagens deixam claro que foi a turba quem ultrapassou as barreiras móveis da polícia. No entanto, DISCORDO com veemência em relação ao exagero de efetivo, pois havia mais de 1600 homens, em função das escalas dos policiais, pois em evento pouco anterior ao 29 de abril, que foi a ocupação dos professores da ALEP, os policiais cumpriram escalas absolutamente absurdas e a APRA – Associações de Praças do Estado do Paraná, denunciou essas condições, isso ocorreu porque não tinha efetivo para a troca das escalas.

Faltou inteligência sim, pois houve excesso de força sim, houve falta de cuidado sim e até hoje não entendo porque os elementos que provocaram os conflitos não foram retirados pela Inteligência da Polícia. Pois bem, concordo também com a informação que não houve o uso progressivo da força, houve a utilização de todos os elementos de contenção ao mesmo tempo. Só há uma negativa NÃO HOUVE BOMBAS, sendo atiradas do helicóptero.

Agora o maior problema da matéria é a salada que o jornalista fez em relação à questão política. Primeiro, não há como comprovar que houve uma decisão política para a ação e também não há cabimento. O fato de o Secretário Fernando Francischini ser também Deputado Federal, não se sobrepõe nesse tipo de evento, pois ele também foi oficial da PMPR e sempre operacional, e é também Delegado da Polícia Federal, quer dizer passou por uma forte concorrência para chegar a Delegado. Já Secretário de Segurança, realmente há um fator político, mas ele possui também qualidades técnicas para ocupar essa posição. Então por que julgá-lo somente pelo viés político? O jornalista também usa de juízo de valor para falar do Coronel Nerino Mariano de Brito, não sei nem por que. O que aconteceu de fato, quem conduziu a operação foi o Coronel Arildo Luis Dias de acordo com o Boletim 003/2015 e o fato dele estar lotado na Casa Militar nada têm a ver com a sua atuação na operação, o que se pode questionar sim, é se ele teria condições técnicas, ou conhecimento técnico policial para executar a ação? Presume-se que sim.

Então, conclusão. O desenrolar do teatro de operações foi sim responsabilidade da PMPR. Ainda que, o Secretário Fernando Francischini tenha participado das grandes decisões da operação, a EXECUÇÃO não foi do Secretário, ele não estava lá.  E colocar a conta no viés político me parece uma conta simples. Muito pelo contrário, politicamente ele teria muito a perder, pois era pretenso candidato a Prefeitura de Curitiba.

O cenário político no Paraná

Padrão
reinventar

reinventar

O dia 29 de abril de 2015, já entrou para a história política do Paraná, uma data que a APP não vai deixar ser esquecido. Eu tenho inúmeras dúvidas sobre o que eu vi. Toda história tem dois lados…. e tenho certeza que a outra versão irá aparecer. Ainda, que ser professor tem o lado do espírito de uma nação, do conhecimento… e tudo aquilo que sentimos pelos professores que nos marcaram, mas eu juro que não vi um “massacre”. Para mim,ao menos, só marcarei uma posição definitiva quando  o Ministério Público se manifestar.

ENEBI 2015: Tecnologia Assistiva no Esporte

Imagem

LuMiy's Blog

Engenharia Biomecânica para Viver Sem Limites
Uberlândia – MG nos dias05 a 08 de Maio de 2015

Estaremos no evento para apresentar um Sistema Eletrônico para treinamento de esporte para paratletas com deficiência visual. A pesquisa será apresentada pelo Altermir Trapp, técnico da Paraolimpíada de Goaball e membro da nossa equipe de Produtos orientado para Tecnologia Assistiva – POTA/PPGEPS-PUCPR.

Um especial agradecimento ao prof. Cleudmar Amaral Araújo, presidente do ENEBI 2015, e também parabenizamos pelo evento.

Mais informações no site: http://www.enebi.com.br/

Ver o post original