Arquivo da tag: acidente

Acidentes de Trânsito – Vanessa Fontana – TV UNINTER

Padrão

O Programa Café com Gestão é idealizado pela Coordenação dos Cursos de Processos Gerenciais, Gestão Comercial e Marketing do Centro Universitário Internacional UNINTER. A entrevistada do dia é a Profa. Dra. Vanessa Fontana, o tema é “Acidentes de trânsito” e a apresentação é por conta do Prof. Elizeu Alves.

Anúncios

UNINTER sabatina candidatos ao Governo do Paraná

Padrão
Sabatina com os candidatos ao Governo do Paraná

Sabatina com os candidatos ao Governo do Paraná

Centro Universitário Uninter entrevista candidatos ao Governo do Estado

Sabatinas vão ao ar durante o mês de setembro no programa Café Com Gestão, da própria Instituição e em Parceria com a CWBTV:

Candidato

Data

1º Veiculação

Reprise

Bernardo Piloto

22/09

08:00 h

23:00h

Requião

23/09

08:00h

23:00h

Oggie Bucchi

24/09

08:00h

23:00h

Gleisi

25/09

08:00h

23:00h

 

O Programa Café com Gestão, em parceria com a Escola de Gestão Pública, Política e Jurídica do Grupo Uninter e o Curso de Comunicação Social – Jornalismo fará uma série especial de entrevistas com os principais candidatos ao Governo do Estado do Paraná.

Com o objetivo de estimular a participação da comunidade acadêmica no processo eleitoral, as perguntas serão feitas pelos alunos da Uninter e por meio da fanpage do programa Café com Gestão.

Temas como segurança pública, saúde, transporte público, meio ambiente, habitação e gestão urbana farão parte da sabatina que será mediada pelos professores doutores Doacir Gonçalves (Ciência Política) e Vanessa Fontana (Ciência Política) e a apresentação ficou por conta dos professores Elizeu Barroso Alves e Vanessa Estela Kotovicz Rolon. O programa contou ainda com a participação dos professores Rodrigo Berté e Audren Azolin, questionando os candidatos sobre meio ambiente e educação.

Os programas são gravados pela TV UNINTER e irão ao ar também pela TV Comunitária de Curitiba (canais 5 NET e 186 VIVO TVA /DIGITAL), via satélite pela  TV Uninter, pelo canal web da TV Comunitária e pela WEBTV Uninter. O mesmo conteúdo também será disponibilizado via Youtube um dia após a exibição pela TV.

Quem quiser acompanhar a sabatina pode consultar as mídias sociais do programa. No Facebook, o endereço é: facebook.com/programacafecomgestao e pelo canal do Youtoube é só procurar por: Programa Café com Gestão.

 Programa Café com Gestão – Série especial de entrevistas com os principais candidatos ao Governo do Estado do Paraná.

Data: 22 a 25 de setembro

Horário: 08h e 23h (REPRISE), pela TV Comunitária CWBTV, canal 5 NET e canal 186 VIVO TVA/Digital. Também pelo site http://www.cwbtv.net/.

Horários alternativos da programação de aulas EAD pela TV Uninter, via Satélite “Star One C2” canal CBED do Grupo Uninter, e também pelo canal WEBTV Uninter,http://webtv.grupouninter.com.br/.

Semana Nacional do Trânsito: a visão de Bernardo Pilotto

Padrão

Por

Bernardo Pilotto*

Trânsito: foco no indivíduo

Entre os dias 18 e 25 de setembro, acontece a Semana Nacional de Trânsito, que busca sensibilizar a população acerca da necessidade de diminuir a violência e as mortes que acontecem no trânsito. Nesses próximos dias, as ações dos órgãos Sistema Nacional de Trânsito estarão focadas em divulgar os dados acerca dos acidentes e mortes nas ruas e estradas, além de focar o debate nos pedestres, que são o tema da campanha neste ano.

Infelizmente, o debate sobre o trânsito e suas consequências ainda é muito individualizado: fala-se muito da imprudência e da necessária “direção defensiva”, sem fazer o debate sobre os aspectos estruturais do problema.

Na perspectiva estrutural, penso que alguns temas são fundamentais:

1) Melhoria nas estradas: a maior parte das estradas brasileiras é de pista simples. Nestas vias, para haver uma ultrapassagem, é preciso “invadir” a pista contrária, o que sempre é perigoso. Para diminuir os acidentes, é preciso duplicar as estradas, evitando os acidentes em ultrapassagem. Aonde não for possível, deve-se ao menos garantir a “terceira faixa”, que permite ultrapassagens seguras de tempos em tempos;

2) Investimento em transporte ferroviário: a ênfase em transporte rodoviário, com grandes caminhões transportando cargas muito pesadas, é causador de acidentes. Os caminhões lentos, em rodovias de pista simples, acabam incentivando ultrapassagens perigosas que acabam em acidentes. Para evitar isso, é fundamental voltar a investir em ferrovias para o transporte de grandes cargas. Isso só pode ser feito por um governo que não tenha recebido dinheiro do lobby da indústria automobilística durante a campanha eleitoral;

3) Transporte público: a precaridade dos ônibus, especialmente nas grandes cidades, somado aos incentivos fiscais (como o “IPI zero), fez com que grandes parcelas da população brasileira buscasse o transporte individual como solução. Essa situação gerou um trânsito caótico (e mais perigoso) nas grandes e médias cidades brasileiras. Para reverter isso, é fundamental investir em transporte público, com mais qualidade e menores tarifas. Desta forma os automóveis poderão voltar a ser chamados de “carros de passeio”;

4) Ciclomobilidade: nunca ouvi falar em mortes num acidente entre duas bicicletas. O investimento em ciclomobilidade certamente pode ajudar num trânsito mais seguro e menos violento.

Tudo indica que dificilmente os debates da Semana Nacional do Trânsito serão acerca das questões levantadas acima. Mais uma vez, o foco será individual, culpabilizando a cada um pelos acidentes. É necessário que a discussão acerca do trânsito avance para além das medidas individuais, pois só desta forma poderemos ter, de fato, uma redução do número de acidentes e mortes.

*Bernardo Pilotto é assistente administrativo do HC/UFPR e sociólogo formado pela UFPR. Atualmente, faz mestrado em Saúde Coletiva na Unifesp. Começou sua militância política no movimento estudantil da UFPR, onde foi diretor do DCE/UFPR por duas vezes e membro do Conselho Universitário. Em 2006, entrou no HC/UFPR como assistente administrativo e sempre participou dos movimentos de luta da categoria, sendo representante dos técnicos-administrativos no COUN/UFPR de 2009 a 2011. Em 2013, assumiu uma vaga como representante dos trabalhadores no Conselho Municipal de Saúde de Curitiba.

Foi fundador do PSOL – Partido Socialismo e Liberdade em 2004 e já fez parte de diversas instâncias do partido, em nível municipal, estadual e nacional. Atualmente é da coordenação doSetorial de Saúde do partido.

No dia 13 de abril de 2014, foi escolhido pela Conferência Eleitoral Estadual do PSOL do Paraná como pré-candidato ao governo do estado.

Luciana Rafagnin e Christiane Yared

Padrão
Cristiane Yared e Deputada Luciana Rafagnin

Christiane Yared e Deputada Luciana Rafagnin

 

Comentários:

Cabe ressaltar o meu orgulho pelo trabalho da Deputada Luciana Rafagnin que foi minha aluna no curso de Ciência Política do UNINTER e minha orientanda no trabalho de final de curso.

A Christiane Yared tem a minha admiração pessoal, pelo seu trabalho que é uma forma de sublimar a dor.

 

TRABALHANDO PELO TRÂNSITO

A deputada Luciana Rafagnin (PT) conheceu nesta semana os trabalhos do Instituto Paz no Trânsito (IPTRAN), presidido pela empresária Christiane Yared. O IPTRAN desenvolve importantes projetos e campanhas para a conscientização das pessoas, sejam vítimas, infratores e familiares, sobre prevenção de acidentes e riscos do trânsito, como o Núcleo de Apoio às Vítimas (Navi), o motorista cegonha, o projeto de reeducação do infrator, com resultados de reincidência zero, o Táxi Seguro, o Curta a Balada, o tratamento dos sequelados do trânsito e o que confere atenção especial para a primeira habilitação. O pouco conhecimento sobre o seguro do DPVAT nos pequenos municípios e junto à população das áreas rurais é uma das preocupações da empresária, que se especializou na temática do trânsito após tragédia familiar.

Fonte: Blog do Fábio Campana / 22 de maio de 2014.

 

Legislativo e Executivo dormem e os cidadãos morrem no trânsito

Padrão

O caso japonês sobre as políticas públicas para o trânsito são um exemplo que precisamos seguir. No Japão a lei existe e é cumprida. Aqui brincamos, pois morrem todos os dias em nosso país dezenas e dezenas de pessoas e nada acontece. Nossa lei precisa restringir os abusos e para tanto o Executivo, Legislativo e Judiciário devem sair do estado de inércia e justificar a sua existência protegendo e servindo os cidadãos.

Rigor de “lei seca japonesa” aumenta segurança no trânsito do país

Padrão

ROBERTO KOVALICK – Japão

Não existe lugar do planeta em que o trânsito seja completamente livre de perigos, mas quando os motoristas agem de forma responsável e sabem que não têm como escapar de punições rigorosas, a segurança aumenta muito.

Se a gente andar distraído pela cidade de Nagoya pode até pensar que está em um país bem familiar, mas a lei lá é japonesa. Por isso, antes de dar o primeiro gole, o freguês tem que responder a uma pergunta:

“O senhor vai dirigir?”, questiona um funcionário de um restaurante.

“Não, vou embora de taxi”, responde um cliente.

E se tivesse dito que iria dirigir?

“Aí a responsabilidade é dele. A casa fez a sua parte em advertir o cliente que não poderá dirigir ao consumir bebida alcoólica”, diz o funcionário do restaurante.

Se o gerente servir álcool, sabendo que o freguês vai dirigir, pode pegar até três anos de cadeia e os amigos de farra também. Se entrarem em um carro com um motorista alcoolizado, podem acabar a noite atrás das grades.

A lei se tornou mais severa há cinco anos, depois de um acidente em que um motorista bêbado causou a morte de três crianças. O caso chocou os japoneses. Hoje, os motoristas sabem que se beberem e forem apanhados em uma blitz não tem como escapar de uma punição rigorosa.

Os policiais japoneses testam o maior número possível de motoristas. Primeiro fazem um teste rápido com um bafômetro bem simples. Se estiver tudo bem, o motorista nem perde tempo. Se houver alguma suspeita, ele vai para o carro da polícia, onde passa por um exame mais detalhado, e se for apanhado alcoolizado, a pena pode chegar a cinco anos de cadeia para os reincidentes.

Os brasileiros que moram lá conhecem uma característica da polícia e da Justiça do Japão.

“Por mais que você tenha seguro do carro, seguro pessoal, se você causa um acidente com vítima, você é preso”, diz um homem.

A educação e a aplicação da lei tornaram o trânsito tão seguro que criaram estatísticas inusitadas, por exemplo: no Japão, o risco de alguém morrer em uma banheira é quase o triplo do que em um carro e bicicletas provocam o dobro de acidentes com mortes do que motoristas bêbados.

Fonte: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/07/rigor-de-lei-seca-japonesa-aumenta-seguranca-no-transito-do-pais.html

 

Atropelamento e Impunidade: não foi um acidente

Padrão

A morte do jornalista Vinícius Coelho, 80 anos, é de uma estupidez intraduzível, isto porque alguém parou para deixá-lo atravessar a rodovia com segurança, vem outro veículo em velocidade, que não percebeu a “gentileza” do outro condutor, e toma uma vida! Então a “gentileza” vitimou um homem que conseguiu chegar aos 80 anos.

Essa morte deve fazer com que os paranaenses assinem o Abaixo Assinado – Não foi Acidente http://naofoiacidente.org/blog

O trânsito no Brasil além de causar mortes deixa milhares de vitimados e doentes crônicos por conta dos acidentes. Eu mesma sou uma vítima. O meu caso é muito parecido com o do jornalista, mas eu sobrevivi. No entanto, ninguém foi punido.  Fui atropelada por um rapaz de 22 anos, alcoolizado que furou um sinal vermelho e me atropelou encima da calçada. Após quase 22 anos enfrento as sequelas deste “que não foi um acidente”, há quase um ano fiquei dependente de uma muleta. Então colaborem assinando a petição.